Honda VFR 1200X Crosstourer

A Honda VFR 1200X Crosstourer é uma moto que impressiona logo à primeira vista, pelo seu porte imponente e pela sua beleza, e quanto mais você a pilota, mais ela te impressiona e encanta exibindo na prática todos os seus atributos.

Essa big-trail é impulsionada pelo motor 4 cilindros em V de 1.236,7 cm³, gerando potência máxima de 129,2 cv a 7.750 RPM e torque máximo de 12,8 kgf.m a 6.500 RPM, atuando com câmbio automático de 6 marchas e tração por eixo cardã, muito eficiente, sem trancos.

O acelerador é bem sensível, partindo com voracidade, despejando todo o potencial do motor em um leve toque, mas permite uma pilotagem com aceleração bastante gradativa, esbanjando um desempenho que a faz passar dos 200 km/h com folga e muita facilidade.

O consumo é bom, e nos milhares de quilometros rodados nos testes apresentou média de 12,58 km/l no uso urbano e médias entre 13,74 km/l e 18,89 km/l na estrada, proporcionando boa autonomia com seu tanque de 21,5 litros de gasolina.

A Crosstourer é bem completa, oferecendo eletrônica embarcada bastante apurada, especialmente pelo câmbio automática, além de contar com sistema de freios C-ABS e controle de tração. Pelo conjunto da obra, merecia ter piloto automático, item que a Honda não disponibilizou no modelo.

O câmbio automático, apresenta comportamentos distintos no uso urbano e na estrada. Por trabalhar associado ao sistema de dupla embreagem permite que as trocas de marcha sejam bastante suaves, a ponto de sequer serem sentidas em alta rotação, mas no uso urbano, em momentos de trânsito mais intenso, devido à predominância em rotações mais baixas, de até 3.500 RPM, as trocas de marchas ficam muito frequentes, alternando entre 1ª, 2ª e 3ª, dando pequenos “soluços” nas transições, por isso em vários momentos cheguei a colocar a VFR no modo manual, que permite ao piloto passar as marchas através da borboleta no punho esquerdo. Outra opção é colocar o câmbio no modo “sport”, onde o sistema estica um pouco mais as marchas, alongando a rotação, proporcionando trocas menos frequentes do que no modo “drive”.

O sistema de freios C-ABS atua com perfeição, mesmo em pisos irregulares, distribuindo muito bem a frenagem e reduzindo bastante o mergulho de frente, que é comum em motos big-trail. Além disso o acionamento é muito preciso, podendo ser feito tranquilamente só com um dedo no manete.

O controle de tração também é muito bom, e pode ser desligado, o que é ótimo para uso off-road.

O sistema de suspensão é fantástico, trabalhando muito bem tanto dentro quanto fora de estrada, com um grande diferencial de ter sistema por monobraço na traseira, contando também com ajuste de pré-carga na dianteira e traseira.

A moto tem ótimo sistema de arrefecimento, mantendo o motor em temperatura de trabalho bem estável, e o motor não passa calor para as pernas do piloto. Tendo que tomar cuidado apenas em paradas de sinal, para não queimar a perna direita, lado onde o motor é mais deslocado pra fora.

A VFR tem ergonomia e posição de pilotagem fantásticas, além de oferecer muito conforto também para a garupa, com banco macio e em ótimo tamanho.

Seu design é bastante elegante, com linhas modernas e ótima aerodinâmica, contando com belo conjunto ótico, para-brisa e protetor de mão que cumprem muito bem seu papel.

O painel de instrumentos é simples, diante da grandiosidade da moto, mas completo e tem fácil leitura.

Um ponto curioso em relação à Crosstourer é o fato dos comandos de seta e buzina estarem em posições invertidas em relação à enorme maioria das motos no mercado, o que pode ser um fator que atrapalhe bastante no início, mas depois que acostuma tudo volta o normal.

O comportamento na cidade é ótimo, com guidão em boa altura para desvio de obstáculos e retrovisores, além de excelente ciclística, tornando a moto relativamente leve, mesmo com seus quase 300 kg abastecida, fazendo dela uma moto fácil de pilotar, permitindo inclinações bastante avançadas com extrema segurança e confiança.

Na estrada é onde a máquina se solta e mostra todos os seus atributos com sobra, com destaque para o câmbio que na hora de uma ultrapassagem, ou qualquer outra situação em que o piloto acelere com vontade, se tiver a necessidade de maior entrega de potência o sistema joga automaticamente uma ou duas marchas para baixo, o que também pode ser feito manualmente.

A Crosstourer é importada e está disponível nas cores branca e vermelha, com preço sugerido de R$ 76.979,00.

A Honda VFR 1200X Crosstourer é uma moto com atributos de sobra para encantar motociclistas exigentes, que desejem uma moto bastante completa, imponente e excelente companhia para longas viagens, despejando performance, com grande conforto e segurança.

Ficha técnica:
Motor: OHC, 4 cilindros, 4 tempos, arrefecido à liquido
Cilindrada: 1.236,7 cm³
Sistema de alimentação: Injeção Eletrônica PGM-FI
Potência máxima: 129,2 cv a 7.750 rpm
Torque máximo: 12,8kgf.m a 6.500 rpm
Transmissão: 6 velocidades, podendo ser engrenadas automaticamente ou manualmente
Sistema de partida: Elétrico
Combustível: Gasolina
Capacidade do tanque: 21,5 litros
Tipo de chassi: Diamond em alumínio
Comprimento x largura x altura: 2.284 x 916 x 1.335 mm
Pneu dianteiro: 110/80 – 19
Pneu traseiro: 150/70 – 17
Peso seco: 261kg
Cores: Branco e vermelho
Freio Dianteiro: A Disco duplo flutuante / 310 mm
Freio Traseiro: A disco e com sistema independente de freio de estacionamento/ 276 mm

Assista à matéria de avaliação no programa Duas Rodas News

Autor: Eduardo Azeredo

770 stories / Procurar todas
Do Rio de Janeiro, há mais de 14 anos envolvido com o motociclismo, e atua como piloto de testes e jornalista motociclístico para diversos veículos de comunicação, em especial o Jornal Motocycle, Revista Torque, CarPoint News, entre outros, fazendo avaliações / testes de motocicletas e produzindo matérias a respeito do mundo duas rodas. Também apresentador do programa Duas Rodas News, na emissora Luau TV

Relacionadas »